Eleições 2008

Transcrevo abaixo a íntegra de matéria do Tribuna do Norte com meu posicionamento sobre a posição petista nas eleições de outubro e ainda a entrevista de Fernando Mineiro.

Geraldão admite retirada da candidatura de Mineiro
Marcelo BarrosoELEIÇÕES 2008 - Com nome lançado para concorrer à prefeitura, resta a Virgínia abrir negociação com PT
19/03/2008 - Tribuna do Norte

O presidente estadual do partido dos Trabalhadores, Geraldo Pinto, trabalhará pela desistência da pré-candidatura de Fernando Mineiro, caso a secretária Virgínia Ferreira conquiste, para sua pré-candidatura, os apoios de Carlos Eduardo e do PMDB. A declaração foi da ontem no programa Panorama do RN (Rádio Globo Natal). “Se ela tiver o apoio do PMDB ou do prefeito, ou dos dois, como presidente do partido me sinto na responsabilidade de apoiar a candidatura dela. Agora esses dirigentes precisam nos dizer. Chamar o PT e falar do apoio”, comentou Geraldo Pinto.

Mesmo sem a consolidação desses apoios, o presidente do PT estadual disse que tentará construir uma pré-candidatura de consenso para evitar as prévias partidárias. Já o deputado Fernando Mineiro, procurado ontem, disse que não tem nenhuma obsessão pela sua pré-candidatura; não descarta desistir; mas quer saber primeiro se a candidatura que pode substituir a sua é uma candidatura que se manterá com ou sem alianças externas e ainda unificar o partido.

Fernando Mineiro avaliou ontem que o lançamento da pré-candidatura de Virgínia Ferreira foi um fato positivo. “É uma oportunidade do partido debater um projeto para a cidade. Vamos debater projetos para a cidade; qual o melhor nome que representa o partido e tem condições de fazer uma disputa pra valer”, disse. Quanto a ter prévias ou o PT encontrar um nome de consenso, o deputado explicou que ainda não pode descartar nenhuma das duas hipóteses e nem ainda a própria desistência de Virgínia Ferreira.

Ele justificou esse posicionamento pelo fato de que ainda não foi realizada nenhuma conversa interna sobre a atual situação. “Tanto eu quanto a Virgínia, tanto eu quanto a Fátima estamos interessados no melhor posicionamento do partido nessas eleições, no crescimento do partido, avançar na administração, consolidar os pontos positivos e superar os gargalos”, afirmou.

E acrescentou, ainda com relação ao futuro do partido: “No que depender de mim nós vamos buscar o melhor caminho para o PT. Se o melhor caminho for pelo consenso, eu estou disposto a fazê-lo. Se o melhor caminho for a prévia, estou disposto. O que quero dizer é que quem vai decidir isso é o partido”. Esse “melhor caminho”, para o deputado representa “na prática o nome que melhor unifica o PT (...) e que melhor posiciona o partido na disputa”.

“Lançamento da candidatura é positivo”

O pré-candidato do PMDB à candidatura de Natal, vereador Hermano Morais, considerou positivo o lançamento do nome da secretária de Planejamento do Município, Virgínia Ferreira, como pré-candidata o PT á Prefeitura de Natal. Ele observou que a secretária é uma técnica competente e que pode dar uma grande contribuição ao debate político que será travado por conta das eleições 2008. “O surgimento do nome de Virgínia é positivo”.

Ao mesmo tempo, Hermano Morais lamentou a decisão da deputada Fátima Bezerra de não lançar seu nome à Prefeitura. “Porque ela certamente teria uma grande contribuição a dar pelo conhecimento e pela contribuição que ela vem dando para a administração municipal”, disse. O nome de Virgínia Ferreira foi lançado em meio a comentários de que sua candidatura viabilizaria uma aliança entre o PT e o PMDB com o apoio do prefeito feito Carlos Eduardo.

Entrevista / Fernando Mineiro - Pré-candidato

TRIBUNA DO NORTE - É verdade que o senhor teria sinalizado que retiraria sua pré-candidatura caso Virgínia Ferreira assumisse a pré-candidatura e cooptasse o apoio de Carlos Eduardo Alves e outros apoios que dariam mais relevância à candidatura do partido?
Fernado Mineiro - É verdade que eu falei que estou aberto a fazer a discussão. Desde que a discussão não seja condicionada só a ter aliança. Porque se a gente trabalhar na perspectiva de ter aliança, e não tem essa aliança: o que o PT vai fazer? Vai ficar sem candidato se não tiver aliança? Então, a verdade é essa: eu estou aberto a fazer qualquer discussão. E reafirmo isso: eu não tenho nenhuma obsessão quanto à minha candidatura. A minha obsessão é que o PT como partido se coloque como sujeito na cidade de Natal, e não fique na dependência. Se há uma candidatura que se propõe a ser a candidata do PT com um processo de alianças, o que eu quero saber é se essa candidatura se coloca também como alternativa se o PT não fizer alianças. Por isso não descarto retirar o meu nome nem descarto que tenha prévia. Tem que ficar claro se a candidatura é só para o caso de aliança. Porque se não for, aí já desbloqueia e facilita o debate entre nós.

TN - Como o senhor avalia o lançamento de Virgínia Ferreira do ponto de vista do cenário eleitoral em Natal?
FM - Dá uma outra dinâmica. E põe um ponto final nas especulações. Agora, estamos caminhando para uma reta de definições. A partir de agora temos dois nomes. Ao mesmo tempo que dá um outro patamar no debate interno, dá também no debate externo. Porque, por exemplo, a direção vai sentar com o PMDB e diz: nós temos o nome de Virgínia e de Mineiro, como é a discussão? Vai conversar com Carlos Eduardo: como é? Então vamos trabalhar num terreno mais público.

3 comentários :

chuva fina é que é bom disse...

Geraldo caia na real , o nome nessa atual conjuntura é o de Virginia,se até Fátima que é quem tem voto no pt abriu mão,porque mineiro não abre.

rildo disse...

A realidade e dura, mas não deixa duvidas, a inveja e as pretensões individuais não combinam com a construção coletiva,
parabéns pela parábola, pois ela nos traz varias reflexões alem de me lembrar de outra parábola interessante a "REVOLUÇÃO DOS BICHOS".

rildo disse...

Desculpe mas o comentário e sobre o texto: A VIRGEM, O BODE E O SIMULACRO